Felipe Francischini fala sobre a integração entre CCJ de Brasília e do Paraná

Felipe Francischini fala sobre a integração entre CCJ de Brasília e do Paraná

O deputado federal Felipe Francischini esteve nesta segunda-feira (22) na Assembleia Legislativa do Paraná e falou sobre o projeto de integração entre a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) de Brasília e da Alep.

“Estou buscando a integração entre CCJ da Câmara de Deputados, que eu presido, e a CCJ da Assembleia Legislativa do Paraná, presidida pelo meu pai, o Deputado Delegado Francischini. Nos próximos meses faremos uma grande integração lá em Brasília com a troca de conhecimentos, experiências e história para que possamos cada vez mais o aprimorar processo legislativo e ter pautas mais positivas para a população paranaense e população Brasileira”, disse o parlamentar.

Eleito para a Câmara Federal em 2018, após quatro anos na Assembleia, Felipe Francischini falou sobre a sua trajetória política e a atuação este ano na comissão mais importante do legislativo. “A movimentação da CCJ foi muito expressiva e aprovou mais projetos do que o Plenário da Câmara, do Senado e da CCJ do Senado”, comparou o parlamentar.

Ele salientou o trâmite de projetos importantes. “É tempo das grandes reformas como a da Previdência, Tributária, em breve dos Conselhos de Classe e a mudança pacto federativo, que é uma proposta do Ministro Paulo Guedes que trata da divisão de competências legislativas e tributárias”, acrescentou.

Felipe conversou com acadêmicos que participam do Parlamento Universitário. O evento promovido pela Escola do Legislativo da Alep simula a rotina dos deputados estaduais do Paraná. “Quando eu era estudante de Direto eu tinha mais ideias do que eu tenho hoje em virtude do trabalho, de estar estudando todo dia. Para mim é muito bom quando me reúno com estudantes e professores para discutir esses temas”, avaliou o deputado, que elogiou o trabalho do diretor Legislativo da Alep, Dylliardi Alessi na iniciativa.

“Foi uma participação muito proveitosa no Parlamento Universitário. O projeto é importantíssimo porque aproxima não só quem gosta de política e de estar no legislativo, mas porque traz ideias para os deputados. Eu mesmo utilizei projetos que saíram do Parlamento Universitário e viraram leis no Paraná”, contou.

Felipe Francischini respondeu a perguntas dos estudantes sobre diversos temas, envolvendo questões políticas, ideológicas, partidárias e acadêmicas. Em uma delas ressaltou a mudança no perfil dos próximos representantes públicos.

“Quem quiser se eleger hoje precisa entender a lógica das redes sociais. Antes se elegia com dinheiro e panfletos, brindes e showmício. Quem quiser entrar na vida pública, se especializar nas redes sociais, ter um seguimento, um posicionamento e uma bandeira política vai explodir de votos”, afirmou.