Sérgio Moro condena ex-gerentes da Petrobrás na Lava Jato

Mônica Moura e João Santana são os primeiros a depor na ação do sítio de Atibaia
05/02/2018
Lula diz que não vai fugir e chama Sérgio Moro de “analfabeto político”
06/02/2018

Sérgio Moro condena ex-gerentes da Petrobrás na Lava Jato

O juiz federal Sérgio Moro condenou nesta segunda-feira, 5, os ex-gerentes da Petrobras Márcio de Almeida Ferreira e Edison Krummenauer, na Operação Lava Jato. A denúncia do Ministério Público Federal acusou seis investigados de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa pelo pagamento de R$ 150 milhões em propinas relacionadas à Área de Gás e Energia da estatal. Moro condenou cinco e absolveu um.

O ex-gerente da Petrobrás Maurício de Oliveira Guedes foi absolvido por Moro. O juiz levantou todas as medidas cautelares impostas ao executivo. Todos os acusados foram absolvidos do crime de organização criminosa.

Márcio de Almeida Ferreira, ex-gerente de empreendimentos da Petrobrás, pegou dez anos e três meses de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz anotou, no entanto, que ‘há prescrição do primeiro de crime de corrupção cometido’ pelo ex-gerente.

Segundo a denúncia, o ex-gerente manteria mais de R$ 64,2 milhões em contas em nome de uma offshore nas Bahamas e, em 2016, teria tentado lavar esse dinheiro mediante a adesão ao programa de repatriação de ativos previsto na Lei 13.254/16.

Também por corrupção e lavagem de dinheiro, Edison Krummenauer foi condenado a nove anos e quatro meses de reclusão. Moro condenou Luis Mário da Costa Mattoni a oito anos de prisão pelos mesmos crimes. Como são delatores, vão cumprir as penas fixadas em seus acordos de colaboração premiada.

Ao empresário Paulo Roberto Gomes Fernandes, o juiz impôs 14 anos e três meses de prisão em regime fechado por corrupção e lavagem de dinheiro. Pelos mesmos crimes, o empresário Marivaldo do Rozário Escalfoni pegou a mesma pena.

Sérgio Moro decretou ‘a interdição de Paulo Roberto Gomes Fernandes, Marivaldo do Rozário Escalfoni e Márcio de Almeida Ferreira para o exercício de cargo ou função pública ou de diretor, membro de conselho ou de gerência das pessoas jurídicas’ em decorrência da condenação pelo crime de lavagem de dinheiro. A ordem judicial vale pelo dobro do tempo da pena privativa de liberdade relativo à lavagem.

1 Comentário

  1. Antonio disse:

    SERGIO MORO JUIZ FEDERAL RECONHECIDO E DECORADO INTERNACIONALMENTE PELA SUA CAPACIDADE INTELECTUAL E JURÍDICA.
    O ANALFABETO É O QUE O CRITICA POIS NÃO TEM NEM UMA FORMAÇÃO EM FACULDADE,
    ESTE FOI UM DOS PRESIDENTES QUE FALIU A PETROBRÁS E O NOSSO QUERIDO BRASIL..
    CONDENADO EM SEGUNDA ESTÂNCIA CADEIA JÁ NELE…SEM DÓ..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial

Siga-me nas Redes Sociais!